Dilma Rousseff: 'Presença de Lula nas eleições não depende deles, mas de nós'

Em encontro com professores, presidenta conclama engajamento em defesa do direito de Lula disputar a Presidência da República

Escrito por: Escrito por: Cida de Oliveira, da RBA • Publicado em: 09/03/2018 - 11:59 Escrito por: Escrito por: Cida de Oliveira, da RBA Publicado em: 09/03/2018 - 11:59

ELINEUDO MEIRA/PT

A presidenta deposta Dilma Rousseff defende o engajamento dos trabalhadores em defesa do direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser candidato à Presidência da República. Em encontro com profissionais da educação promovido na noite de ontem (7) pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Dilma conclamou o apoio especialmente dos professores, que lotaram o auditório do Clube Homs, na Avenida Paulista.

"Uma vez Lula disse que estaria nessa eleição em qualquer hipótese. Preso ou solto, vivo ou morto. A gente tem de lutar porque vai ter eleição nesse país. E em qualquer hipótese, Lula é símbolo da luta popular que o país construiu em sua história. A presença dele não depende deles, depende de nós", afirmou, referindo-se à decisão da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de negar, por unanimidade, o habeas corpus preventivo requerido pela defesa de Lula – o que ela considera parte do processo de perseguição e indício de "coisa muito ruim".

Citando um ditado muito usado no Rio Grande do Sul, segundo o qual "não está morto quem peleia", Dilma lembrou Lula "como o menino pobre sentado na cadeira, com roupa simples", em uma foto bastante conhecida do ex-presidente, "menosprezado, porque achavam que ele não entendia nada". "E depois da eleição de 2006, ele tornou-se o cara".    

"Professores, vocês que transmitem o conhecimento. País nenhum vira nação sem professores e não estamos ainda à altura da nação que somos. E vocês têm a missão de puxar esse carro", conclamou, emocionada, ao concluir sua fala marcada por duras críticas ao Congresso Nacional "que a mídia diz que é comprado", ao Judiciário "que tem dois pesos e duas medidas quando se trata de Lula, quando deveria garantir o avanço da democracia garantido pelos direitos iguais", aos políticos que protagonizaram e apoiaram o impeachment sem crime de responsabilidade, que tiveram seus nomes envolvidos em escândalos variados, inclusive com malas de dinheiro, e à mídia "oligopolizada", nas mãos de poucas famílias.

"Uma mídia que produziu algumas das características do golpe, como a intolerância e o anticomunismo primitivo travestido de anti-petismo, misógino e machista, para construir estereótipos e reforçar preconceitos contra a mulher. Sempre me acusaram de ser dura, obcecada pelo trabalho, ou frágil, e que eu deveria reconhecer o meu lugar e que por isso eu deveria renunciar. Já os homens que me cercavam eram empreendedores e sensíveis".

Enciclopédia do Golpe

Em noite que marcou o lançamento do segundo volume da Enciclopédia do Golpe – O Papel da Mídia, que tem a sua ministra de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, entre os autores de um dos 28 verbetes, a presidenta deposta destacou a importância da educação e da comunicação.

Alfinetou o ministro da Educação Mendonça Filho, que ao ameaçar ir a todas as instâncias para proibir um curso livre sobre o golpe de 2016 na Universidade de Brasília (UnB) provocou reação em defesa da autonomia universitária, que levou outras universidades a abrirem o mesmo curso, entre elas a Unicamp, USP, UFC, UFRGS, UFJF, UFPB, UFBA, UFMS e UFRN. "Conseguiu que todo mundo criasse curso sobre o golpe nesse país, quando eles não gostam que se use essa palavra"

E a "ultra-direita", que fez emergir como "subproduto do golpe" movimentos como MBL, Vem pra Rua e a candidatura de Jair Bolsonaro (PSC-RJ). "Eles prometeram muita coisa, que tudo ficaria melhor com a nossa saída. Mas aí chegaram as malas de dinheiro enquanto os direitos e programas (sociais) foram sendo retirados, compras de votos no Congresso, deterioração e esvaziamento dos partidos que apoiaram o golpe. Um problema deles é nem ter candidato, tanto que se cogitou Temer".

E chamou atenção aos ataques à soberania nacional pelo governo de Michel Temer. "Para o pré-sal, além de internacionalizar, querem alterar o modelo de partilha, trazendo de volta o modelo de concessão, com perdas para o país. E tem ainda as privatizações, com a Eletrobras na mira, e todas as hidrelétricas no meio", disse.

Em discurso emocionado, a presidenta da Apeoesp, Maria Izabel de Azevedo Noronha, a Bebel, lembrou políticas dos governos petistas que estão sendo retirados. E prometeu mais atos como o realizado na noite de ontem, que ela chamou de desagravo, em apoio a Dilma e Lula. E prometeu estimular a criação de comitês em defesa da candidatura do ex-presidente.

Participaram do ato Eleonora Menicucci, os vereadores Juliana Cardoso e Eduardo Suplicy (PT), a dirigente da Fundação Perseu Abramo Selma Rocha, o ex-ministro da Educação Aloízio Mercadante, a dirigente nacional do MST, Kelly Mafort, a ex-presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação Jussara Dutra, a ex-secretária municipal de Educação Cida Peres, a secretária nacional de políticas para a Mulher, Junéia Batista, o jornalista Paulo Moreira Leite e o professor aposentado da USP Laurindo Lalo Leal, além de representantes do Comitê de Mulheres para a Democracia

Assista ao ato "Por Educação, Direitos e Democracia" organizado pela Apeoesp, em São Paulo:

 

Título: Dilma Rousseff: 'Presença de Lula nas eleições não depende deles, mas de nós', Conteúdo: A presidenta deposta Dilma Rousseff defende o engajamento dos trabalhadores em defesa do direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser candidato à Presidência da República. Em encontro com profissionais da educação promovido na noite de ontem (7) pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Dilma conclamou o apoio especialmente dos professores, que lotaram o auditório do Clube Homs, na Avenida Paulista. Uma vez Lula disse que estaria nessa eleição em qualquer hipótese. Preso ou solto, vivo ou morto. A gente tem de lutar porque vai ter eleição nesse país. E em qualquer hipótese, Lula é símbolo da luta popular que o país construiu em sua história. A presença dele não depende deles, depende de nós, afirmou, referindo-se à decisão da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de negar, por unanimidade, o habeas corpus preventivo requerido pela defesa de Lula – o que ela considera parte do processo de perseguição e indício de coisa muito ruim. Citando um ditado muito usado no Rio Grande do Sul, segundo o qual não está morto quem peleia, Dilma lembrou Lula como o menino pobre sentado na cadeira, com roupa simples, em uma foto bastante conhecida do ex-presidente, menosprezado, porque achavam que ele não entendia nada. E depois da eleição de 2006, ele tornou-se o cara.     Professores, vocês que transmitem o conhecimento. País nenhum vira nação sem professores e não estamos ainda à altura da nação que somos. E vocês têm a missão de puxar esse carro, conclamou, emocionada, ao concluir sua fala marcada por duras críticas ao Congresso Nacional que a mídia diz que é comprado, ao Judiciário que tem dois pesos e duas medidas quando se trata de Lula, quando deveria garantir o avanço da democracia garantido pelos direitos iguais, aos políticos que protagonizaram e apoiaram o impeachment sem crime de responsabilidade, que tiveram seus nomes envolvidos em escândalos variados, inclusive com malas de dinheiro, e à mídia oligopolizada, nas mãos de poucas famílias. Uma mídia que produziu algumas das características do golpe, como a intolerância e o anticomunismo primitivo travestido de anti-petismo, misógino e machista, para construir estereótipos e reforçar preconceitos contra a mulher. Sempre me acusaram de ser dura, obcecada pelo trabalho, ou frágil, e que eu deveria reconhecer o meu lugar e que por isso eu deveria renunciar. Já os homens que me cercavam eram empreendedores e sensíveis. Enciclopédia do Golpe Em noite que marcou o lançamento do segundo volume da Enciclopédia do Golpe – O Papel da Mídia, que tem a sua ministra de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, entre os autores de um dos 28 verbetes, a presidenta deposta destacou a importância da educação e da comunicação. Alfinetou o ministro da Educação Mendonça Filho, que ao ameaçar ir a todas as instâncias para proibir um curso livre sobre o golpe de 2016 na Universidade de Brasília (UnB) provocou reação em defesa da autonomia universitária, que levou outras universidades a abrirem o mesmo curso, entre elas a Unicamp, USP, UFC, UFRGS, UFJF, UFPB, UFBA, UFMS e UFRN. Conseguiu que todo mundo criasse curso sobre o golpe nesse país, quando eles não gostam que se use essa palavra E a ultra-direita, que fez emergir como subproduto do golpe movimentos como MBL, Vem pra Rua e a candidatura de Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Eles prometeram muita coisa, que tudo ficaria melhor com a nossa saída. Mas aí chegaram as malas de dinheiro enquanto os direitos e programas (sociais) foram sendo retirados, compras de votos no Congresso, deterioração e esvaziamento dos partidos que apoiaram o golpe. Um problema deles é nem ter candidato, tanto que se cogitou Temer. E chamou atenção aos ataques à soberania nacional pelo governo de Michel Temer. Para o pré-sal, além de internacionalizar, querem alterar o modelo de partilha, trazendo de volta o modelo de concessão, com perdas para o país. E tem ainda as privatizações, com a Eletrobras na mira, e todas as hidrelétricas no meio, disse. Em discurso emocionado, a presidenta da Apeoesp, Maria Izabel de Azevedo Noronha, a Bebel, lembrou políticas dos governos petistas que estão sendo retirados. E prometeu mais atos como o realizado na noite de ontem, que ela chamou de desagravo, em apoio a Dilma e Lula. E prometeu estimular a criação de comitês em defesa da candidatura do ex-presidente. Participaram do ato Eleonora Menicucci, os vereadores Juliana Cardoso e Eduardo Suplicy (PT), a dirigente da Fundação Perseu Abramo Selma Rocha, o ex-ministro da Educação Aloízio Mercadante, a dirigente nacional do MST, Kelly Mafort, a ex-presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação Jussara Dutra, a ex-secretária municipal de Educação Cida Peres, a secretária nacional de políticas para a Mulher, Junéia Batista, o jornalista Paulo Moreira Leite e o professor aposentado da USP Laurindo Lalo Leal, além de representantes do Comitê de Mulheres para a Democracia Assista ao ato Por Educação, Direitos e Democracia organizado pela Apeoesp, em São Paulo:  



Informativo CUT PB

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.