Todo apoio à luta e resistência dos estudantes

31/10/2016 - 00:00

Nenhum direito a menos!

As ocupações nas escolas pelos/as estudantes secundaristas é um ato de resistência e de exercício da cidadania de quem luta e defende com garra um ensino público, gratuito e de qualidade.

Desde que o Governo golpista anunciou as mudanças no Ensino Médio e a PEC 241, que define o congelamento dos recursos para a educação por 20 anos, os/as estudantes secundaristas deram início a uma serie de ocupações nas escolas em todo país, como forma de resistir e enfrentar as medidas tomadas pelo governo golpista e assim abrir espaço para um diálogo sobre os impactos dessas medidas no ensino público.

Na luta contra a retirada de direitos, muitas mobilizações estão acontecendo em todo o Brasil e as ocupações promovidas nas escolas pelos/as estudantes secundaristas assume um papel político importante no enfrentamento da usurpação de direitos proposto por este governo ilegítimo.

Segundo dados da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas- UBES, em todo o país cerca de  1.197 escolas estão ocupadas somando-se a  96 Universidades, de acordo com a União Nacional dos Estudantes- UNE, também estas se encontram apoderadas contra a famigerada PEC 241.  Essas ocupações expressam a força e a coragem da juventude em lutar por um ensino público, gratuito e de qualidade, evidenciando  a capacidade de organização desses/as estudantes em expor sua posição contra as nefastas decisões do governo.

A forma desse governo golpista atuar, deixa claro suas reais intenções, que são de reduzir cada vez mais o papel do Estado na promoção de serviços públicos, tais como saúde e educação. Essa redução está alinhada aos interesses do capital internacional, que estimula o corte nos investimentos públicos e o fortalecimento da iniciativa privada.

Neste sentido, mais do que ser solidários/as aos/as estudantes, precisamos neste momento nos somar a essa juventude brasileira, que vem resistindo bravamente  com um grau de politização e consciência do momento que estamos vivendo diante do desmonte do Estado brasileiro e o que este representa para suas vidas e para toda sociedade.

A CUT, que desde sua fundação, defende o direito de mobilização e de expressão de forma democrática, se soma à luta dos/as estudantes em todo o país e conclama toda a classe trabalhadora ao próximo dia 11 de novembro, dia nacional de greve contra a retirada de direitos pelo governo ilegítimo de Michel Temer.

Sabemos que só a resistência será capaz de barrar as medidas impostas pelas forças conservadoras que buscam a todo custo recompor os lucros do capital através da retirada de direitos, da entrega da riqueza nacional e da redução drástica do Estado brasileiro.

A resistência dos/as estudantes nos inspira e nos motiva ainda mais continuar a enfrentar de frente esse governo ilegítimo. Sem sombra de dúvidas essas novas formas de ocupação do espaço escolar, pensadas e apropriadas pelos/as próprios/as estudantes, nos traz a oportunidade de reaprendermos sobre o real sentido da educação como prática da liberdade, da educação cidadã, da educação verdadeiramente transformadora.

Nenhum direito a menos!